Treinando Para Concurso Público – Treinamento, Adaptação e Automação

Atleta treinandoTreinamento, Adaptação e Automação

Imagine um atleta que só treina uma vez por semana e resolve encarar uma competição nacional contra centenas de competidores.
Bem, acho que você já sabe como esse atleta vai se sair na competição!

Agora mude o cenário e imagine você encarando o concurso do Banco do Brasil, PRF ou Receita Federal contra centenas de candidatos.
Você seria um concurseiro preparado para a prova ou um concurseiro despreparado como o atleta da história acima?

Você precisa treinar.
Você precisa estar bem preparado.
Você precisa simular o “combate”.

E isso você só consegue realizando provas anteriores e resolvendo questões da banca organizadora do seu concurso.

Você precisa treinar com questões para se adaptar a banca e gerar uma automação mental.
Quando você realiza um número de simulados e questões semelhantes, você cria uma automação, ou seja, seu cérebro entra no automático e realiza as questões de forma muito mais fácil. O seu olho fica calibrado para identificar o que a banca esta cobrando naquela questão.

Foque em questões da Banca Organizadora do seu concurso.

É impressionante como vemos questões repetidas ou semelhantes em provas diversas realizadas pela mesma banca organizadora. Se você treinar de maneira correta, com questões da banca organizadora, eu posso te garantir que na hora da prova você já saberá vários gabaritos só de olhar a questão!

Simule a prova.

Separe algumas horas e tente efetuar a resolução de um número específico de questões que simulem a extensão de sua prova.
Exemplo: As provas do concurso da Polícia Federal possuem 120 questões e podem ser realizadas no prazo máximo de 4 horas. Sabendo disso, você pode separar 4 horas em um dia qualquer e simular uma prova resolvendo 120 questões. Cronometrando assim o seu tempo, você terá uma dimensão de quantas horas levará para resolver sua prova oficial e ficará muito mais tranquilo no dia da prova.

Outro ponto importante: Saiba quantas questões caem de cada matéria, o peso delas e o mínimo para passar. Se organizando desta maneira você saberá quantas questões deve treinar no simulado e quais matérias devem ter um peso maior na simulação.
Não adianta nada estudar 1000 questões de língua portuguesa se o peso da matéria é 1 e serão cobradas 10 questões na prova, e estudar 100 questões de direito administrativo com peso 2 e com 40 questões na prova. Não faz sentido não é verdade?

Pois bem, não faz sentido, mas o que mais vejo por aí são concurseiros despreparados que não sabem nada sobre a banca, não sabem nada do edital e não se organizam. Se preparam de forma errada, aleatória e se acham “preparados” como o nosso atleta do começo da história.

Não perca tempo e comece agora mesmo sua preparação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *